Economia

EUA e Brasil multam a Petrobras US $ 853 milhões por suborno

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr

Autoridades norte-americanas e brasileiras multaram a gigante petrolífera estatal brasileira Petrobras em mais de US $ 853 milhões por encobrir subornos a políticos e partidos políticos brasileiros, informou o Departamento de Justiça dos Estados Unidos nesta quinta-feira (27).

Executivos da Petrobras “nos níveis mais altos”, incluindo membros do conselho, orquestraram centenas de milhões em suborno “e depois prepararam os livros para esconder os pagamentos de suborno de investidores e reguladores”, disse o procurador-geral dos EUA, Brian Benczkowski, em comunicado.

As autoridades brasileiras receberão 80% da multa e o restante será cobrado pelo Departamento de Justiça e pela Comissão de Valores Mobiliários.

As ações admitidas pela empresa ocorreram enquanto a Petrobras era negociada na Bolsa de Valores de Nova York, dando às autoridades norte-americanas a jurisdição sobre os supostos crimes, disse o Departamento de Justiça.

Os promotores dizem que um executivo da Petrobras fez pagamentos para impedir uma investigação parlamentar brasileira sobre contratos de empresas.

O executivo também supostamente canalizou subornos de empresas contratadas para a campanha de um político brasileiro não identificado que tinha poder sobre onde a Petrobras poderia construir refinarias.

A Petrobras admitiu que alguns executivos canalizaram pagamentos para políticos e partidos políticos, e que a empresa não conseguiu manter livros e registros precisos sobre propriedades e equipamentos, conforme exigido por lei.

Os executivos também falsificaram as declarações financeiras da Petrobras para a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, mesmo quando estavam pessoalmente envolvidas no suborno.

“De acordo com as admissões da Petrobras … membros da Diretoria da Petrobras estiveram envolvidos na facilitação e direcionamento de milhões de dólares em pagamentos corruptos para políticos e partidos políticos no Brasil, e membros do Conselho de Administração da Petrobras também estiveram envolvidos na facilitação de subornos. O contratante da Petrobras estava pagando aos políticos brasileiros “, disse o comunicado.

Como parte do acordo anunciado na quinta-feira, a Petrobras concordou em continuar cooperando em quaisquer investigações contínuas sobre o assunto, incluindo ações tomadas por indivíduos, e para fazer mudanças em seu programa interno de conformidade.

O acordo anunciado na quinta-feira envolveu um “acordo de não-acusação”, o que significa que nenhuma acusação será feita contra a empresa. Os promotores podem agir separadamente contra indivíduos.

Mais de 40 países, incluindo os Estados Unidos, criminalizaram o pagamento de propinas no exterior para ganhar negócios, o que as autoridades dizem que defraudam os investidores enquanto promovem a corrupção e a instabilidade política.

Em um assunto relacionado, a Petrobras concordou em pagar US $ 933,5 milhões à SEC para retornar ganhos ilícitos, mas esse montante será reduzido pelo valor de quaisquer pagamentos feitos em uma ação coletiva movida por investidores arquivados em Nova York.

 

Escreva um comentário