Rússia diz que algumas tropas retornaram à base e Ucrânia retalia com cautela

Soldados russos dirigem tanques durante exercícios militares na região de Leningrado, na Rússia, nesta foto publicada em 14 de fevereiro de 2022. Ministério da Defesa da Rússia / Postado via Reuters / Foto de arquivo

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

MOSCOU (Reuters) – A Rússia disse nesta terça-feira que algumas de suas unidades militares retornaram às bases após exercícios perto da Ucrânia, dias após alertas norte-americanos e britânicos de que Moscou poderia invadir seu vizinho a qualquer momento.

Não ficou claro quantas unidades foram retiradas e até que ponto, após cerca de 130.000 soldados russos terem sido construídos no norte, leste e sul da Ucrânia.

O desenvolvimento foi recebido com uma resposta cautelosa da Ucrânia e da Grã-Bretanha, mas levou a um aumento acentuado nos mercados financeiros. Analistas militares ocidentais disseram que é muito cedo para determinar a extensão de qualquer desescalada.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Sempre dissemos que as tropas retornarão às suas bases após o término dos exercícios. Este é o caso desta vez também”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Ele acusou os Estados Unidos de alimentar a crise ao alertar repetidamente sobre uma invasão iminente, a ponto de Peskov dizer que o presidente Vladimir Putin brincou sobre isso.

“Ele está nos pedindo para saber se a hora exata, até mesmo a hora, do início da guerra foi publicada. É impossível entender esse frenesi obsessivo de informação”, disse Peskov a repórteres.

A Grã-Bretanha, que liderava com os Estados Unidos, respondeu com cautela aos avisos de ação iminente.

“Os russos alegaram que não tinham planos de invadir, mas precisaríamos ver uma retirada completa das forças para provar isso”, disse a secretária de Estado Liz Truss à LBC Radio.

READ  Austrália evacua sua embaixada em Kiev e convida China a falar em nome da Ucrânia

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que Kiev não acreditaria que a Rússia agiria para acalmar a situação, a menos que se visse como a retirada das forças russas.

“Se virmos uma retirada, vamos acreditar na desescalada”, disse ele à agência de notícias ucraniana Interfax.

O chanceler alemão Olaf Schulz, na mais recente missão diplomática ocidental para desarmar a crise, iniciou conversas com Putin no Kremlin.

Um porta-voz do Ministério da Defesa russo disse que, embora os exercícios em larga escala continuem em todo o país, algumas unidades nas regiões militares do sul e oeste da fronteira com a Ucrânia completaram seus exercícios e começaram a retornar à base.

O Distrito Militar do Sul disse que suas forças começaram a se retirar da Crimeia e retornar às suas bases depois de completar exercícios na península que a Rússia tomou da Ucrânia em 2014.

Imagens de vídeo divulgadas pelo Ministério da Defesa mostraram alguns tanques e outros veículos blindados sendo carregados em vagões.

“15 de fevereiro de 2022 ficará na história com o fracasso da propaganda ocidental para a guerra. Fui humilhada e destruída sem que um único tiro fosse disparado”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

As ações russas, os títulos do governo e o rublo, que foram prejudicados por temores de um conflito iminente, subiram acentuadamente, assim como os títulos do governo ucraniano.

Resposta cautelosa

Analistas militares ocidentais têm sido cautelosos sobre a importância dos recentes movimentos de tropas.

Várias tropas russas foram à Bielorrússia para os exercícios programados para terminar no domingo, a milhares de quilômetros de distância, no Distrito Militar Oriental. O anúncio de terça-feira não fez menção a essas forças.

READ  O Ocidente deve reduzir sua dependência da Rússia para energia

“Provavelmente haverá boas notícias, mas teremos que esperar e ver para onde vão o Distrito Militar Oriental e Central, especialmente depois de 20 de fevereiro”, escreveu Rob Lee, analista militar especializado na Rússia, no Twitter.

Enquanto isso permanecer próximo, a Rússia terá a capacidade de conduzir uma escalada significativa, embora não em curto prazo.

Konrad Muzica, diretor da consultoria Roshan, com sede na Polônia, disse à Reuters que levaria vários dias para verificar os movimentos mais recentes por meio de imagens de satélite.

“Também vale a pena notar que novos trens com equipamentos da Rússia Central continuam chegando perto da fronteira e que as forças russas continuam se movendo em direção às áreas de parada. Este anúncio vem em oposição direta ao que a Rússia vem fazendo nos últimos dias, ” ele disse.

Imagens comerciais de satélite tiradas no domingo e na segunda-feira mostraram uma onda de atividade militar russa em vários locais perto da Ucrânia, de acordo com a empresa privada norte-americana que publicou as imagens.

A Maxar Technologies, com sede nos EUA, informou a chegada de vários grandes destacamentos de tropas e helicópteros de ataque, bem como novos desdobramentos de aeronaves de ataque ao solo e bombardeiros para posições avançadas. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Sarah Marsh e Anton Kolodiazny em Moscou e Kylie McClellan em Londres; Escrito por Tom Palmforth e Mark Trevelyan; Edição por Angus McSwan

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Click Diario